Conhecer o mundo ou matar as saudades de onde já se esteve?

conhecer o mundo ou matar as saudades - lembranca de viagem

Começa assim: você faz uma viagem, se apaixona pelo destino e volta pra casa pensando no que viu e no que nem deu tempo de ver.

Um ano depois, nas suas próximas férias e ao olhar as fotos da última viagem, pensa:

“Amei esse lugar, queria voltar lá, mas tenho o mundo por conhecer não posso repetir destino!

Já pensou assim alguma vez? Essa sensação acontece com você ao olhar suas fotos?

Sou capaz de apostar com você que esse é o pensamento de quase todo amante de viagens e também o dilema de boa parte deles, incluindo o meu.

Vou te contar o que já descobri a respeito, e quem sabe você me ajuda (e se ajuda) a entender e amenizar esse sentimento de saudades…


Se você clicou no link do email, acabou sendo encaminhado para cá, o link do post novo é (desculpe):

POST NOVO: 20 CIDADES PARA VISITAR AO MENOS UMA VEZ NA VIDA


Escrevi esse texto durante a minha segunda visita a Buenos Aires …

A reflexão, porém, vem de muito antes disso. Muito do que vou contar senti durante minhas viagens mais longas ou nos lugares em que já morei.

Passei muito mais dias que o “recomendado” em cidades como Londres e Foz do Iguaçu, morei anos na cidade mais turística do Brasil, o Rio de Janeirovou a São Paulo ao menos uma vez por ano, desde que sou um bebezinho viajante. Nada disso ajuda quem quer preencher o mapa com todos os locais do mundo visitados pois seria “perda de tempo e oportunidades”.

Mas tudo isso ajudou a refletir sobre quantas vezes na vida a gente tem que ir a algum lugar e espero te levar a pensar também.

Eu sempre procuro explorar ao máximo cada destino.

Sabe aquele mapa-múndi que muita gente tem na sala e vai aos poucos marcando cada lugar visitado?

conhecer o mundo ou matar as saudades - competição

O objetivo é “fechar o mapa”, marcar tudo e ganhar o título de explorador do mundo frente a comunidade de viajantes do mundo.

Parece que há uma competição desenfreada entre quantidade ao invés de qualidade.

Isso não funciona comigo não.

É desafiador sim e eu quero meu mapa 100% preenchido também, mas cada vez mais tenho pensado em viajar quase que no sentido oposto disso.


Começou com uma necessidade de economizar em viagem, e assim resolvi passar longos períodos a cada cidade visitada.

Sim, se você ainda não sabe disso ainda anote : quanto mais mudanças de cidade e país durante uma viagem mais se gasta como um todo.

Pois bem, passei a fazer viagens longas para cada lugar que ia, cada cidade explorada pelo dobro de tempo que 90% dos viajantes costumam ficar.

O termo da moda é “slow travel”, mas acho que vai muito além disso.

Isso me permitiu 3 coisas, principalmente:

conhecer o mundo ou matar as saudades - explorar lugares

– Explorar o lugar com calma, sem estar exausta. 

Com tempo de descansar o corpo e a mente entre um dia e outro, experimente e veja a diferença.

– Conhecer lugares que quase ninguém conhece, uma vez que não estão entre os passeios “principais” de turismo do local explorado. 

Quando você passa bastante tempo em um lugar consegue visitar o que é turístico e o que não é também.

Conhecer a cidade em seu estilo pessoal e íntimo. Sabe quando você já até sabe dizer se a fruta tá cara ou barata no mercado local?

Quem viaja sente isso, após uns dias de calma e observação, sem a correria, passa-se a entender perfeitamente o ritmo do lugar.

A cultura, as pessoas, se vestir sem olhar previsão do tempo, os canais de TV mais legais, o horário de rush, os locais pra fazer happy hour depois do trabalho, o programa preferido de fim de semana, o ponto turístico que nenhum morador recomenda, os problemas da cidade, as qualidades, a história por trás de tudo.

Só sente isso quem observa, e só observa quem tem tempo.

conhecer o mundo ou matar as saudades - ser local
A banana tá cara

 


E como resolver isso então?

Eu, cada vez mais sinto vontade de redescobrir lugares que estive na mesma proporção que quero conhecer lugares novos.

Talvez o ideal seja permanecer muitos dias num lugar só, talvez seja o equilíbrio.

Talvez o fator novidade seja o remédio e o consolo para partir pra outro destino.

Uma coisa é certa: Uma viagem nunca será igual a outra, mesmo que seja para o mesmo lugar.

Como te contei lá no início do texto, esse texto surgiu da minha viagem a Buenos Aires pela segunda vez.

Quando tive a oportunidade de olhar a cidade com outros olhos, tão apaixonados quanto a primeira vez por lá, mas certamente muito mais compreenssivos sobre o lugar que eu estava re-descobrindo. Já disse no AirBnb em Buenos Aires e repito: conhecer lugares novos é bom, mas se sentir íntima com cada um deles, tem um valor inestimável.

conhecer o mundo ou matar as saudades - viajante
conhecer lugares novos é bom, mas se sentir íntima com cada um deles, tem um valor inestimável.

E você? Já se pegou pensando a respeito?

Como e por que você viaja?

Acho que sua primeira resposta será a de se dizer explorador do mundo, mas pense um pouquinho, não seria ótimo desbravar o mundo várias e várias vezes?

Será que a solução é passar mais tempo em cada lugar ou precisamos re-descobrir os locais que amamos muito?

Conte pra mim como você mata essa saudades e se você sente o mesmo que eu…


Você também pode gostar de: 

Uma local em Buenos Aires com AirBnb

O que fazer em Buenos Aires (além do tradicional)!

Porque viajar sozinha (o) ? 7 motivos incríveis que te faltavam

O que fazer em Londres (+ de 80 Dicas)

Comente, me fale o que achou!
Advertisements

15 Replies to “Conhecer o mundo ou matar as saudades, o dilema do viajante !

  1. Super me identifiquei com esse texto! Essa coisa mesmo que parece uma competição de gente falando ‘ja visitei tantos países” também é algo que eu não me identifico. Também quero ver meu mapa nos 100% mas não quero que seja aquela coisa maluca de passar por lugares só por passar. Por isso que cada vez mais também prezo o slow travel, de me conectar com o lugar de uma forma mais especial e sim, revisitá-los! <3

  2. Amei seu texto e super me identifiquei. Quando comecei a viajar, fazia uma maratona! Hoje, fico o máximo de tempo possível em um lugar. E repito destinos também. Fui chamada de doida porque fiquei OITO dias em Foz e depois de menos de dois anos fui novamente para lá. Para mim, só tem vantagens em viajar devagar. Se choveu, por exemplo, provavelmente ainda dará tempo de fazer o passeio que estava planejado para aquele dia… Se estou cansada, posso ficar dormindo no hotel… E por ai vai!
    Parabéns pela reflexão, Maíra! Amo seu blog!

    1. Sou tão doida quanto você então pois passei 6 dias em Foz e quero voltar o quanto antes! Também acho, só vantagens, o clima pode endoidar, o humor também…. Adorei seu comentário Ge! Obrigada! E tb sou fã do seu blog =)

  3. Adorei você ter usado Buenos Aires como exemplo. Já fui umas 4 vezes e nunca vou ter essa sensação de que estou repetindo destino. Amo conhecer lugares novos, mas também amo aquela sensação de pertencimento, sabe? E para mim, ir para um mesmo lugar +slow travel traz isso. Fora, que sempre há coisas novas para se descobrir, mesmo em lugares que você já foi 😉

    1. 4 vezes!? Ai que inveja boa! hahahahh Eu quero ir mais tantas vezes quanto possível pra lá (e ra outros vários destinos). Essa sensação de pertencer pra mim é impagável, eu me sinto “especial”. Adorei seu comentárioe ver qe não estou só! Hahhah Bjss

  4. Gente PARA TUDO!!!! Amei o post, SIM vamos reviver viagens inesquecíveis!! Vamos ficar mais tempo em um lugar pra conhecer de tudo!! Vamos, vamos vamos!!! Parabéns, excelente!!!

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.